[Conto]: O Assoviador

By Luciana Souza - 20:24

A noite estava fria e vazia, tudo que se podia ouvir eram seus passos em meio as folhas secas e o assovio do vento por entre as arvores. O visor do celular em seu bolso apontava vinte duas horas em ponto, um tanto tarde para sua habitual caminhada. O trajeto da faculdade era um tanto longo, cerca de cinco longas, escuras e silenciosas quadras, ela caminhou em silencio seguindo o assovio do vento. Caminhou. Caminhou. Até que uma brisa gelada encontrou seu rosto e um arrepio percorreu sua espinha, uma lufada de folhas secas a encontrou bagunçando seus cachos avermelhados, ela piscou algumas vezes tentando eliminar a areia que tinha vindo com o vento, olhou em volta e notou que estava em frente a velha “Mansão Sanlin”, uma casa antiga, com uma historia trágica. O medo tomou conta dela de repente, suas pernas bambearam e seu coração parecia que iria sair pela boca, um assovio tomava conta do lugar, e não era o assovio do vento. Ela então se lembrou do que contavam sobre o lugar, ela se lembrou do assobiador. 

Os locais contavam a historia de uma família pobre que vivia por entre os becos de Holt, certa noite o homem conheceu alguém que lhe ofereceu riqueza em troca de alguns favores, favores esses que seriam cobrados com o tempo. Sem trabalho ou condições de sustentar sua família o homem aceitou a proposta sem questionar o que teria de fazer no futuro. No dia seguinte ele recebeu uma carta dizendo que herdara a velha mansão no final da St. Mathiew, apesar de ninguém saber ao certo quem era o dono daquela casa tão isolada. O homem conseguiu trabalho e pode dar uma vida digna a sua família e seguiram felizes por alguns anos. 

Cerca de dez anos depois os favores começaram a ser cobrados, um para ser mais especifico, o homem teria que atrair crianças até a entrada da velha mina e as deixar lá como oferenda a quem havia lhe dado um teto e comida, “não pode ser animais no lugar de crianças?” questionou o homem e um balanço negativo de cabeça lhe foi dado, “e como vou atrai-las?” questionou novamente e apenas disseram “assobie”. Naquela mesma noite duas crianças desapareceram, a principio o homem se sentia nauseado e desconfortável com toda aquela situação, mas ao passar dos dias tudo começou parecer mais fácil de se fazer. 

Ele saia na calada da noite e assoviava em baixo das janelas das crianças, um assovio que parecia uma melodia que os encantava e os guiava até a entrada da velha mina onde desapareciam e nunca mais eram vistas. O desespero e o medo tomou conta da pequena cidade de Holt, todos seguiram assim por longos cinco anos, sem saber qual seria a próxima vitima, depois de todo esse tempo todas as famílias de Holt haviam perdido uma criança exceto o homem e então a cidade começou a questionar. Alguém se lembrou de tê-lo visto conversando com alguém estranho certa noite e no dia seguinte ele tinha uma casa e um emprego. Eles começaram a pressioná-lo e ele apenas negava. Com medo, revoltados e cansados os moradores se reuniram e partiram em direção a velha mansão de Sanlin e enquanto eles dormiam atearam fogo na casa matando a todos, ou pelo menos era o que todos achavam. O homem havia saído naquela noite em busca de mais crianças, quando retornou tudo estava queimado e sua família estava morta então naquele instante tomado de ódio e de dor ele jurou que nenhuma família viveria em paz com suas crianças e que todas seriam mortas e então se entregou de vez ao espirito do assobiador. Há quem diga que esses foram os tempos mais sombrios de Holt e que poucas famílias conseguiram ver seus filhos crescerem depois disso. 

O visor de celular em seu bolso apontava vinte duas e trinta, não havia mais vento, não havia mais luz, havia apenas o som do assovio a chamando, ela apenas seguiu em direção a entrada da velha mina, assim como muitos antes dela.

  • Share:

You Might Also Like

11 Comentários

  1. Luciana!
    Senti até um arrepio e embora não seja criança, agora quando escutar um assobio, ficarei me tremendo toda...affffe!
    Terror puro e muito bem escrito.
    Parabéns!
    Desejo um mês mais que abençoado, carregadinho de luz e paz e um final de semana esplendoroso!
    “Acredite, existem pessoas que não procuram beleza, mas sim coração.” (Cazuza)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA MARÇO: 3 livros + vários kits, 5 ganhadores, participem!
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  2. Uaaaal Luciana, que medaa!
    Tenho medo dessas histórias mas sabe qdo vc tem medo e ao msm tempo é fascinada no gênero? Fica ali lendo e assistindo? Essa sou eu, curiosa demais... Esses assovios me deixaram com medo... Adorei!
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. adorei o teu blog! ganhaste uma nova seguidora!
    passa no meu e diz o que achas!
    beijinhos
    http://eyeelement.blogspot.pt

    ResponderExcluir
  4. que conto mais assustadooor, mas muuito bem escrito !! Eu n curto muito o gênero mas gostei muito do seu conto!! Está de parabéns, e esse negócio de assovio é de realmente dar medo!!!E esse final??? Meu Deus !!!

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Ok, isso está para mas um filme de terror finque um conto. A história é bem interessante, até me deixou com medo.. gostei bastante!

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
  6. Curti com um frio na barriga, deu medo, mas é muito bom esse conto. Mas não me arriscaria a ler se fosse um verdadeiro livro com muitas páginas.

    ResponderExcluir
  7. Oi Luciana!
    Que conto maravilhoso!
    Adorei!
    Muito bem escrito e instigante, mesmo!
    Parabéns.
    Ai que medo me deu kkk por isso não saio a noite! kkkkkkkkkkkkk
    bjsss

    ResponderExcluir
  8. Nossa, adorei o conto! Tão bem escrito que consegui imaginar tudinho. Parabéns!

    ResponderExcluir
  9. Você tem outros escritos além desse? Como livros na Amazom, Wattpad, físicos e etc. Se não, o que está esoerando? ahaha Sua escrita é fantástica e bem trabalhada, eu adorei muito! <3

    ResponderExcluir
  10. Interessante o conto confesso que até deu arrepios eu até tinha parado de ler contos de terror ultimamente mas foi bom para me lembrar que eu tenho que ler mais do gênero

    ResponderExcluir