[Crônicas de Quinta]: Um Adeus Inusitado

By Ventos de Maio - 09:32

Hoje eu acordei assim, com frases feitas e um bom dia mal proferido, com uma dose extra de amargura e duas a menos de amor, com uma xícara de cafe amargo e gelado acompanhado de passado e nostalgia. O tempo pode ser cruel e o destino um mal amigo, nem sempre nos saímos bem e a superação se torna mero conselho, palavras em vão nos ventos de outono. Os obstáculos do dia-a-dia fazem com que fiquemos mais no chão do que em pé, ou talvez isso ocorra só comigo, a lembranças me perseguem como abelhas quando procuram pólen e por causa delas fui incapaz de esquecer.

A saudade me consome, me destrói a cada segundo que passa, como se não houvesse outra opção, ela me julga e me condena ao sofrimento eterno, sou incapaz de pagar tal pena. Dizem que o frio é psicológico, talvez seja, se for mesmo, o meu já nem existe, quem sabe. Ando pela casa com um moletom velho no intuito de aquecer o vazio e as borboletas no meu estomago, o relógio na parede soa com o passar das horas, não há mais tempo, ou talvez haja, depende da perspectiva, vinda de mim considero a pior possível, se é que um dia ela existe. 

Sentada numa velha cadeira tomo papel e caneta, as palavras saem quase que bruscamente junto com as lagrimas, o tic-tac do relógio esta cada vez mais alto assim como o som emito pela caneta ao se encontrar com o papel, é chegada a hora, se é que isso é possível, ha varias delas na minha frente brilhando como jujubas, há de toda cor, para que servem eu ate poderia dizer, já havia passado tanto por isso que Tereza havia me explicado a finalidade de cada uma, Tereza logo a veria novamente, ou não, quem sabe, mas naqueles últimos segundos restantes algumas palavras me observavam, "logo estarei com você querido." O relógio parou e o único barulho que se seguiu foi do copo que estava em minhas mãos se estilhaçando ao chão.

  • Share:

You Might Also Like

4 Comentários

  1. A saudade só existe depois de terem havido momentos bons..ou ruins. Não importa. Partes de passado, como pequenas gotas de chuva batendo no vidro da janela.
    Um adeus inusitado? Talvez...mas para que nova vida recomece!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Para algumas feridas parece mesmo não haver cura. Algumas dores sufocam, e a saudade é uma delas. Às vezes é não há saída a não ser o trágico e acalentador adeus. Adorei a crônica.

    ResponderExcluir
  3. As vezes é tão difícil dizer adeus,mas nem sempre temos a opção de escolher, e a única coisa que fica é as lembranças dos momentos bons.

    ResponderExcluir
  4. Luciana!
    Gosto muito de seus textos bem escritos, concatenados e profundos.
    E que surpresa o final...
    Já estava me identificando com a parte da saudade, porque ando com uma saudade tão profunda, nao do meu amor que está sempre ao meu lado, mas da família que está distante...
    Chorei...
    “A melhor mensagem de Natal é aquela que sai em silêncio de nossos corações e aquece com ternura os corações daqueles que nos acompanham em nossa caminhada pela vida.” (Desconhecido)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DEZEMBRO - 7 GANHADORES – BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir