Resenha Passeio ao Farol

By Monique Fonseca. - 10:00


Hoje tem resenha!


Imagem: Divulgação OLX


Ano de edição: 1927
Número de Páginas: 191
Editora: Círculo do Livro


Sinopse: "Passeio Ao Farol" é a história de um casamento e de uma infância. É um lamento de dor pela perda de pais fortes e amados. Virginia Woolf queria chamá-lo “elegia” em vez de romance. O livro também diz respeito à estrutura de classe inglesa e à radical ruptura com o vitorianismo após a Primeira Guerra Mundial. Ele é a expressão da urgente necessidade de uma forma artística que pudesse registrar e adaptar-se a essa ruptura. Ele é todas essas coisas ao mesmo tempo.” “Virginia Woolf lia Proust enquanto escrevia Ao Farol. Ela intitulou a segunda parte: “O tempo passa”. Para medir o tempo, precisava de um relógio; ela utilizou uma casa. Quem não viu, quem não sabe como envelhece uma moradia abandonada? E quando o tempo passa, a guerra mata um filho, uma filha morre no parto, mas o melhor dos contadores de tempo continua sendo a morada, muralhas inertes e móveis mudos, em face das terríveis correntes de ar e dos insistentes gotejamentos – verdadeira batalha entre duas forças vivas.” Michel Serres" 


Já havia tentado ler Virginia Woolf antes,tentei com o livro "As Ondas",porém empaquei na leitura e não terminei o livro(mas não desistirei rsrs).No entanto ao ler Passeio Ao Farol eu consegui entender e me encantar pelo estilo da Virginia,para ler essa autora é necessário tempo,tempo para se concentrar e tempo para pensar sobre os pensamentos dos personagens.

"Ver sempre  as mesmas ondas quebrando tristemente semana após semana,interrompidas em seu ritmo monótono apenas pela tempestade que se aproxima,cobrindo as janelas de espuma,atirando pássaros de encontro ao farol,estremecendo tudo,impedindo as pessoas de saírem,com medo de serem varridas para o mar"(p.8)


O estilo narrativo que a Virginia adota é o chamado "fluxo de consciência",no qual a narração é feita seguindo os pensamentos dos personagens,relatando suas reflexões e pertubações mais íntimas,o mais encantador nessa formas forma de escrever é que a autora nos 'obriga' a sairmos de nós e enxergarmos o outro de maneira a ver todos seus pensamentos,suas vulnerabilidades,suas inseguranças e principalmente a sua caótica humanidade.


O enredo de Passeio Ao farol é simples,dividido em três partes "A Janela", O Tempo Passa" e "O Farol". A primeira parte começa com um diálogo entre a família e alguns agregados que estão hospedados na casa,eles conversam sobre a possibilidade de ir ou não ao farol,e é nesse simples diálogo que somos apresentados aos personagens e as suas características mais marcantes.

"Mas o que é noite,afinal?Um curto intervalo de tempo,principalmente quando a escuridão se devanesce tão cedo,e tão rápido o galo canta,um pássaro chilreia,ou o verde desmaiado se aviva no seio da onda, como uma folha na primavera.Mas,uma noite se sucede a outra..."(p.115)

A Sra.Ramsay, que  é uma mulher deslumbrante com que finge ser otimista,mas ao  ler  uma parte do livro (que eu não lembro qual especificamente) na qual se passavam os pensamentos dela eu lembrei de uma parte da música Runaway da Aurora que traduzida fica assim: 


"E todo esse tempo eu estive mentindo
Oh, mentindo secretamente para mim mesma
Eu estive colocando a tristeza
nas partes mais distantes
De minhas prateleiras
E eu estava correndo para longe
Será que eu correrei para fora das paredes
um dia?"

"Agitando-se no sono, ela agarrou-se aos lençóis como alguém que despenca de um penhasco se agarra a vegetação na borda.Abriu os olhos completamente.Aqui estou outra vez,pensou,sentando-se bruscamente na cama.Acordada".(p.129)

Eu achei que a música era totalmente  apropriada para essa personagem.Tem também o  Sr. Ramsay que é um cara inteligente ,mas que queria ser genial,a inteligência não é suficiente para ele nem sua família e filhos.Há também o James que é um dos filhos do casal e que tem um ódio do pai pela presença opressora que ele inflige sobre ele,mas principalmente sobre a mãe.

"Andrew seria um homen melhor que ele.Prue seria bela,sua mãe assim dizia.Eles deteriam um pouco a inundação.Era um bom trabalho geral — seus oito filhos.Mostravam que ele não desprezava totalmente esse pequeno e insignificante universo,pois numa noite assim,pensou,olhando a terra desaparecer ao longe,a ilhota parecia pateticamente mínima e quase engolida pelo mar".(p.63)

Há outros personagens que são coadjuvantes,que são tão interessantes quanto os protagonistas,porque nenhum personagem que a Virgínia cria é raso,todos eles tem uma profundidade humana magnífica.O que eu acho mais incrível na escrita da Virginia Woolf é que  ela tem uma impressionante capacidade de se colocar no lugar de outra pessoa ,de forma tão profunda a ponto de nos fazer sentir o que suas personagens sentem além de ter uma total dominação sobre o enredo ,bom como vocês podem notar já virei fã,super recomendo a autora e não apenas esse livro.

"Sim estava terminado,concretizado; e, como todas as coisas que terminavam,tudo tornou-se solene".(p.100)

Um grande beijo para vocês um feliz ano novo cheio de realizações,aprendizado e amadurecimeto e principalmente empatia!




  • Share:

You Might Also Like

5 Comentários

  1. Eu acredito que ler e "entender" Virgínia é coisa para poucos!A autora é tão intensa, que só os intensos conseguem enxergar o que há por trás não só de suas letras, mas principalmente por trás do que ela quer nos dizer!
    Ainda não li esta obra da autora,mas pelo que li acima, este livro consegue traduzir muito bem o que a autora sempre falou sobre a alma humana!
    Pretendo de todo o meu coração, ler a obra!!!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Feliz ano novo!
    Você tem razão. Certos livros precisam mesmo de tempo, ter o foco só para eles. Eu fico muitas vezes tempos sem ler pois sinto que a minha cabeça está meio avoada, sei que não vou conseguir me concentrar na história.

    ResponderExcluir
  3. É uma pena que não consigo fazer a leitura desse tipo de livro, acho tão interessante esse gênero e mesmo não lendo gosto de ler resenha sobre eles.
    Uma vez que empaque em um livro diferente de você eu já desisto dele mesmo kk

    ResponderExcluir
  4. Eu sempre quis ler Virginia Woolf, mas sempre vou adiando devido a algumas críticas a sua linguagem. Entretanto, sua relação de narrativa com os personagens e suas respectivas profundidades me deixam extremamente curioso para embarcar nessa viagem literária com a autora e os pensamentos mais reflexivos criados. Gostei da premissa e acredito ser um bom livro para começar com a autora.

    ResponderExcluir
  5. Oi, Monique!
    Não conheço a escrita da Virginia Woolf, aliás nunca tinha ouvido falar dela - se ouvi não me lembro no momento -,  mas dá pra ver que Passeio ao Farol é um livro complexo, que se deve saborear lentamente para entende a intensidade e complexidade dos personagens da autora...
    Sinceramente não é um livro que faz parte do meu gosto literário, mas se a oportunidade de ler Passeio ao Farol surgir arriscarei a leitura sim.
    Bjos, um maravilhoso 2019!

    ResponderExcluir